Ao entrar numa jornada de autoconhecimento, quando completou 50 anos, Cláudia pôde perceber, relembrar e entender quem ela realmente era. E, a partir disso, encontrou uma aliada para dividir essa jornada: a escrita. Como ela mesma diz, a escrita é terapêutica. 

Venha conhecer a história transformadora da Cláudia, que convida a todos a registrarem suas histórias únicas.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *